segunda-feira, 15 de junho de 2020

Filme '365 dias' da netflix romantiza o crime de sequestro


Imagine essa situação: uma mulher é sequestrada por um chefe da máfia (ou, para contextualizar, um Fernandinho Beira-Mar muito gato e milimetricamente desenhado pelos deuses). O sequestrador explica à sua vítima que ele está apaixonado, que sonha com ela todos os dias, e lhe oferece um trato (o qual ela não tem escolha a não ser aceitar): ela ficará sua prisioneira por 365 dias para se apaixonar por ele, caso ao final desse tempo isso não ocorra, estará livre para partir

Em a
lguns casos do crime de sequestro, acontece o fato de a vítima acabar criando uma afeição por seu sequestrador, isso se chama Síndrome do Estocolmo, um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo amor ou amizade pelo seu agressor. 
É exatamente esse o roteiro do filme.

Eu não teria nada contra a história se não fosse o fato de ela ter romantizado um CRIME bárbaro e terrível e transformado em algo glamouroso e sexy, no qual a mulher está com um criminoso lindo, gostoso, rico e que ainda fode bem! A verdade é que o gostosão é um cara obcecado, maluco, que a torna uma prisioneira! Eles tem uma relação doentia e abusiva (tudo de um jeito bem sexy)!

Conservadorismo a parte, o filme se enquadraria no rol de 'romances hot', não fosse o fato de que não é romance, nem de longe. Na mesma linha, segue a série You (muito boa!) e 50 tons de cinza (perdi algumas horas da minha vida vendo essa porcaria) que mostram homens doentes e obsessivos, e aí vem o fato assustador: apareceram várias mulheres na internet torcendo para encontrar um galã que as maltratassem daquela forma. Para você ter uma noção, a romantização do personagem Joe da série YOU foi tão absurda que a autora viu-se obrigada a deixar claro nas redes sociais que ele é um assassino! 

Parece ridículo ter que falar isso, mas é preciso deixar claro aqui que sequestrar uma pessoa e tocá-la sem o seu consentimento para "provocá-la" não é romântico, mesmo que você seja um homem gostosão com milhões de euros na conta. 

Não vou negar, é normal mulher gostar de homem dominador (na cama), mas o personagem estava mais para um estuprador doente e obcecado. Afinal de contas, prisão continua sendo prisão, mesmo que as grades sejam de ouro.

Um comentário: