terça-feira, 26 de março de 2019

Deputado Gil Diniz quer acabar com a farra dos maconheiros em universidades públicas



O deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP) apresentou na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) um projeto de lei que condiciona o ingresso e manutenção em universidades públicas à prévia realização de um exame toxicológico.

A finalidade do projeto é a de combater a cultura de uso de drogas nas universidades, partindo da premissa de que a estrutura da universidade pública é mantida por meio do dinheiro do contribuinte, ou seja, os estudos são pagos pela população.

“O estudante de universidade pública tem os seus estudos pagos pela sociedade, e o abandono do curso em decorrência do uso de drogas representa um investimento desperdiçado. Muitos jovens têm sua primeira experiência com drogas dentro da própria universidade, inclusive pelo fato de não ter controle policial dentro do campus, o que facilita até mesmo a venda e distribuição de drogas”, justificou Gil Diniz.  

O projeto de lei determina que os alunos deverão apresentar para realização da matrícula: comprovante de coleta de exame toxicológico, laudo com resultado do exame, documento emitido por médico credenciado confirmando o recebimento do resultado e mencionando a data em que foi coletado.

“O ingresso na universidade representa um passo saindo da adolescência em direção à vida adulta. É um período de aquisição de novos conhecimentos, não apenas acadêmicos, 
mas também experiências sociais, afetivas e pessoais e é justamente nesse momento que se faz necessário a intervenção do Estado com medidas que visam coibir o uso das substâncias ilícitas”, completou o deputado Gil Diniz.

Prevenção

Além de coibir a prática de uso de drogas condicionando a efetivação da matrícula ao exame toxicológico, o projeto de lei avança no sentido de promover a conscientização sobre os malefícios das drogas no meio universitário. 

O projeto de lei determina que as universidades públicas criem órgãos colegiados com representantes discentes, docentes e de demais servidores para implementar programas visando a prevenção do uso de drogas ilícitas em todo o campus.

Durante todo o ano letivo serão realizadas campanhas de prevenção e conscientização sobre drogas ilícitas. As campanhas de prevenção e conscientização poderão tratar também do uso abusivo e dependência de substâncias psicoativas lícitas.

Por Thiago Cortês

Gil Diniz


Um comentário:

  1. Já tava na hora de terminar com essa farra nas universidades públicas. Sou formado em História e curso engenharia em uma Universidade pública e digo, a muitas pessoas dependentes químicos em Universidades não só públicas.. onde a farra é maior.

    ResponderExcluir