quinta-feira, 16 de maio de 2019

Efeito Paulo Freire: protesto pela "educação" é recheado de erros de português

Encontre o erro.

Esta quarta-feira (15) foi marcada por manifestações em diversas cidades do país. Os estudantes universitários alegaram que estavam nas ruas contra o bloqueio de recursos para a educação anunciado pelo MEC, mas o que realmente chamou a atenção foram os erros de português nos cartazes desses alunos tão preocupados com o futuro do país.

Encontre o erro - parte 2.

Não é a toa que o presidente Jair Bolsonaro afirmou: "a maioria ali é militante, não tem nada na cabeça, se perguntar quanto é 7x2 eles não sabem, se perguntar a fórmula da água eles não sabem. São uns idiotas úteis, uns imbecis que estão sendo utilizados como massa de manobra..." 



Encontre o erro - parte 3.


Encontre o erro - parte 4.



Encontre o erro - parte 5.
Obs.: Esse cartaz é de outra manifestação.




Ou para os manifestantes voltarem para a alfabetização?

Esses analfabetos funcionais que foram às ruas são os mesmos que matam aula para fumar maconha, que chegam atrasados nas aulas, mas chegam cedo para a chopada, os mesmos que desrespeitam o professor e até o agridem quando ele tem uma opinião diferente, os mesmos que dizem ser contra ditadura, mas apoiam Che Guevara, Maduro e Fidel Castro, são os mesmos que acham um absurdo gastar R$ 80,00 em livro, mas gastam R$ 200,00 em uma balada. São os mesmos que clamam pela educação e deixam a rua assim ao final do protesto: 



Só a educação "trazerá" crescimento, mas, por enquanto, só "trazeu" militantes analfabetos mesmo.