sábado, 31 de março de 2018

#PMCarolinePresente, o silêncio ensurdecedor da mídia brasileira


Mais um caso de violência no Brasil. 

A PM Caroline Pletsch, 32 anos, estava de férias com seu marido (também policial) em Natal, Rio Grande do Norte quando bandidos entraram na pizzaria em que eles estavam. Ao perceberem a presença dos policiais, "as vítimas da sociedade" exigiram que eles ficassem de joelhos e dispararam dois tiros de arma de fogo em cada um. Caroline morreu antes de chegar ao hospital.

A ONU não se pronunciou dessa vez, Freixo não fez "textão" nem vídeo no Facebook, o Fantástico não fez reportagens com músicas tristes sobre o assunto, Psol e seus comparsas não fizeram camisas com estampas em homenagem a ela, não houve marcha de feministas contra o assassinato de mais uma mulher. Não teve nada disso porque caixão de militar não serve como palanque político. Vida que segue, afinal, foi só mais uma Policial Militar morta na mão do crime. 





A vida dela vale menos porque era policial? Porque era branca?

Não há comoção alguma quando a vítima não interessa a esquerda nacional, essa mulher representa tudo o que a esquerda abomina: lei, ordem, disciplina, família. 

Que Deus receba Caroline em Seus braços.