sábado, 11 de novembro de 2017

População a favor do Escola Sem Partido passa a noite em frente à Câmara de Meriti para apoiar o projeto

Os bons têm que se unir. Tudo pela família!

Nessa sexta-feira (10) houve uma audiência para discutir o projeto Escola Sem Partido na Câmara dos Vereadores de São João de Meriti, na Baixada. A audiência foi marcada para começar às 10 horas da manhã, porém grupos favoráveis à proposta passaram a madrugada em frente a Câmara para garantir seu lugar na Casa e apoiá-la. O grupo foi composto por homens, mulheres e grupos de igreja. Os manifestantes começaram a chegar por volta da meia noite.



Quando os portões foram abertos, a população lotou o local com cartazes a favor do Escola Sem Partido e com agradecimentos aos parlamentares por o levarem até lá e representarem a vontade do povo.



Naturalmente, como o sistema foi por ordem de chegada, muitas pessoas, contra e a favor ao ESP, que chegaram de manhã, no horário da audiência, não conseguiram entrar na Câmara, devido a lotação. 




Muitos integrantes do MBL também não conseguiram entrar. Inclusive, um deles foi agredido por um militante da esquerda chamado Karl Marx.

Ninguém furou fila.

O professor de História, Valter Mattos, estava na mesa falando contra o projeto. Além de declarar abertamente na sua fala que não se sentia preparado para falar do projeto também reclamou depois de três horas de audiência que "foi uma audiência pública desequilibrada, onde quem era a favor do projeto teve muito mais voz do que quem era contra."




Sua reação foi normal. Essa é a geração dos ressentidos, dos coitadinhos, se você fizer uma crítica todos levam para o pessoal, se você falar ou fizer algo todo mundo se ofende. "Provavelmente daqui a mil anos, não vão lembrar da nossa época como a geração do iPad, vão lembrar da nossa época como a era do ressentimento."

O único conselho que posso dar é que na próxima, em vez de reclamarem que a maioria era do outro lado, sigam o exemplo deles e cheguem mais cedo.