domingo, 19 de novembro de 2017

O Brasil depois do Regime Militar


Nas universidades e na mídia quando se fala sobre o Regime Militar é comum ouvirmos sobre "uma noite que durou 21 anos". Nos livros didáticos, lemos sobre os porões da ditadura, torturas, governo autoritário, censura, perseguição e toque de recolher. Em comparação com os dias de hoje, as universidades, mídia e livros didáticos dizem que agora temos liberdade de expressão, liberdade de ir e vir, democracia, liberdade... liberdade?

Liberdade para quem? Liberdade para o que? No Brasil, o que consigo ver é a liberdade que se tem para matar, para roubar e traficar.

A liberdade que temos hoje é aquela vista por trás de muros com mais de 3 metros de altura, com o portão de nossas casas muito bem trancado ou de dentro de um carro blindado com vidro fumê. 

Agora estamos no tempo da paz, segurança e liberdade? O que vejo é corrupção, polícia pacificadora, exército nos morros, crianças viciadas e armadas, assaltos e facadas.

Agora temos julgamentos justos? O que vejo é impunidade, estuprador sendo mimado e protegido pelo Direitos Humanos, bandidos de terno e gravata sendo reconhecido, recompensado e até indenizado.

Essa é a terra da liberdade? O que vejo é cracolândia, arrastões, toque de recolher, bandidos comandando o crime de dentro das prisões.

Quando se conversa com alguém que viveu naquela época a história é bem diferente da que encontramos nos livros, frequentemente ouvimos depoimentos emocionados: "Naquela época era muito melhor." "Não era essa bagunça que é hoje." "Sinto muita saudade." São depoimentos que eu ouvi. E você? Conhece alguém que viveu naquela época? 





Você realmente acha que o Brasil melhorou depois do Regime Militar?

Durante os 20 anos do regime, houve a criação da Eletrobras, construção de quatro portos e recuperação de mais vinte, implementação do metrô em SP, RJ, BH, Recife e Fortaleza, construção da ponte Rio-Niterói, construção da Rodovia Rio-Santos (BR 101), criação da Embratel e Telebrás, FGTS, PIS e PASEP.

Regime militar: mais de 100 milhões de habitantes, 500 morreram, incluindo militares.
Hoje: No primeiro semestre de 2017 foram registrados 28, 2 mil homicídios.

Uma noite que durou 21 anos? Mas e toda essa roubalheira que dura mais de 30 anos à luz do dia?