sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Militante chamado Karl Marx agride integrante do MBL em audiência do Escola Sem Partido

Karl Marx


A sorte da direita é que a esquerda escolhe homens histéricos, porém fracos. Graças a isso, o ferimento não foi tão grave assim.


Vinícius Ziza


A AUDIÊNCIA

Nessa sexta (10), houve uma audiência sobre o Escola Sem Partido na Câmara dos Vereadores de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Dezenas de pessoas a favor do projeto chegaram ao local por volta das duas horas da madrugada para garantir seu lugar dentro da Casa e apoiá-lo, já que a grande maioria da população da baixada deseja que ele seja aprovado. O critério foi a ordem de chegada, então depois da lotação da Casa ninguém mais entrou.

O jornal Extra, na matéria da jornalista Cíntia Cruz, escreveu que "muitos manifestantes contrários ao projeto não conseguiram entrar na Casa". É importante acrescentar uma informação que ela, por acaso, deixou de escrever: muitos manifestantes a favor do projeto também não conseguiram entrar

Ficar do lado de fora não foi uma exclusividade dos manifestantes contrários ao projeto.





A CONFUSÃO

Karl Marx, um militante de esquerda, se aproximou do grupo de manifestantes a favor da proposta e começou a gritar com eles. Quando Vinícius Ziza, o coordenador do MBL de Belford Roxo, lhe desafiou a responder o que era a mais-valia, Karl Marx se irritou e lhe deu um soco na boca. Sara Winter fazia uma live no momento da agressão e mostrou a confusão ao vivo na sua página do Facebook.

Karl Marx também alegou que apenas desejava defender uma escola sem censura e que ele não era de esquerda nem de direita apesar de ter uma tatuagem em seu braço com uma foice e um martelo. Coerência para que, não é?

 
registro de ocorrência