sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Militante chamado Karl Marx agride integrante do MBL em audiência do Escola Sem Partido

Karl Marx


A sorte da direita é que a esquerda escolhe homens histéricos, porém fracos. Graças a isso, o ferimento não foi tão grave assim.


Vinícius Ziza


A AUDIÊNCIA

Nessa sexta (10), houve uma audiência sobre o Escola Sem Partido na Câmara dos Vereadores de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Dezenas de pessoas a favor do projeto chegaram ao local por volta das duas horas da madrugada para garantir seu lugar dentro da Casa e apoiá-lo, já que a grande maioria da população da baixada deseja que ele seja aprovado. O critério foi a ordem de chegada, então depois da lotação da Casa ninguém mais entrou.

O jornal Extra, na matéria da jornalista Cíntia Cruz, escreveu que "muitos manifestantes contrários ao projeto não conseguiram entrar na Casa". É importante acrescentar uma informação que ela, por acaso, deixou de escrever: muitos manifestantes a favor do projeto também não conseguiram entrar

Ficar do lado de fora não foi uma exclusividade dos manifestantes contrários ao projeto.





A CONFUSÃO

Karl Marx, um militante de esquerda, se aproximou do grupo de manifestantes a favor da proposta e começou a gritar com eles. Quando Vinícius Ziza, o coordenador do MBL de Belford Roxo, lhe desafiou a responder o que era a mais-valia, Karl Marx se irritou e lhe deu um soco na boca. Sara Winter fazia uma live no momento da agressão e mostrou a confusão ao vivo na sua página do Facebook.

Karl Marx também alegou que apenas desejava defender uma escola sem censura e que ele não era de esquerda nem de direita apesar de ter uma tatuagem em seu braço com uma foice e um martelo. Coerência para que, não é?

 
registro de ocorrência







7 comentários:

  1. Se eu fosse esse pobre rapaz processaria meus pais e pediria urgentemente alteração de Nome Civil. Colocar esse nome ridículo uma criança é crime contra os Direitos Humanos.

    ResponderExcluir
  2. São os esquerdaopadas que promovem este tipo de ação contra as pessoas de bem que lutam contra esta ditadura do PT em nosso pais. Não podemos falar nada contrário e reivindicar os nossos direitos como cidadão que somos taxados de homofóbicos ou fascista. Ontem eu estava na audiência e pude perceber o despreparo do sindicato dos professores de São João de Meriti sobre o tema: "escola sem partido". O assunto já estava tramitando há mas de três meses e eles alegaram que não tinha conhecimento. Como pastores em menos de um mes nos organizamos em toda as áreas. Mobilizamos as nossas igrejas e convidamos o autor do projeto para estar presente. A audiência foi conduzida com justiça por parte do presidente da câmara, não permitindo que houvesse desigualdade no debate. É triste saber que os representantes da educação em nosso município e um braço político de um partido que incentiva a violência, o aborto e a desconstrução da família tradicional. Muito triste!

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Jennifer, sua ajuda também foi fundamental para o evento Escola Sem Partido. Obrigado!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Jenifer por relatar a verdade, como realmente tudo aconteceu. A grande imprensa comprometida com o projeto liberal e contra a família mentiu e inventou fatos.

    ResponderExcluir
  5. AQUI QUEM TA FALANDO É O PRÓPRIO ACUSADO NA MATÉRIA, NÃO FOI MINHA INTENÇÃO DAR UM SOCO NESSE COMEDIA DO MBL SE EU QUISESSE BATER NELE ELE TAVA SE DEBATENDO NO CHÃO ISSO FOI JOGO POLITICO DE MBL PRA DESQUALIFICAR A ESQUERDA SEM SUCESSO E AINDA DIGO ESSE CARA AINDA VAI SABER O QUE É TOMAR UM COÇA DE VERDADE

    ResponderExcluir
  6. Te chamam de fascista mas se tenta dialogar leva um soco...

    ResponderExcluir