sábado, 18 de novembro de 2017

Em terra de "minorias" quem é branco, hétero e cristão fica na merda


Você não é mulher, não é negro, não é homossexual e não é índio. Também não é guerrilheiro, não invade terras e não é assaltante. Você é apenas um cidadão branco, heterossexual e cristão. Sua vida é normal. Você lutou, estudou e conseguiu um emprego. Acorda cedo, enfrenta o trânsito caótico e a violência da sua cidade todos os dias. No início de cada mês recebe seu salário, agradece a Deus, paga todas as suas contas e tudo recomeça.

Você mata um leão por dia como a maioria dos brasileiros, mas a mídia, as leis e o governo te informam que há uma dívida em seu nome a ser paga pelo simples fato de ter nascido com essa cor. Azar o seu.

Você não tem uma delegacia especializada em crimes contra pessoas como você.

Você não pode ter orgulho da sua cor e sair com uma camiseta escrito 100% branco.

Sua família não tem direito ao auxílio reclusão. Esse benefício é só para família de presos.

O Direitos Humanos não te oferece água e balinha quando chega cansado do trabalho. A água acabou quando eles a deram para o estuprador Champinha.

Você tirou uma nota maior que a de alguém que se intitula negro num vestibular que tem poucas vagas? Desculpe! A vaga é dele. É aquela tal dívida, sabe?

Você não pode fazer piada, mas deve aceitar quieto uma exposição desrespeitando a sua fé. Afinal de contas, aquilo é arte.




Depoimento de Aline Machado:

"Um fato aconteceu próximo à minha casa. Um casal negro de lésbicas passou fumando maconha. Eu ia chamar meu esposo que é PM, mas ele é hétero e branco! Resolvi não arriscar. Ele responderia por racismo, machismo e homofobia ao mesmo tempo! Olha que merda! O politicamente correto me venceu!"

Mesmo que você tenha lutado para chegar onde está, é preciso que aceite tudo isso calado. Afinal de contas você nasceu branco, é hétero e cristão.