quarta-feira, 4 de outubro de 2017

OAB promove evento sobre LGBTfobia infantil

Está claro que não querem deixar nossas crianças em paz. Primeiro, o MEC gastou 1,9 milhão de reais para colocar o kit gay nas escolas, depois o Santander Cultural realizou uma exposição vergonhosa que mostrava quadros com "criança viada" e logo em seguida, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, houve uma peça onde uma criança de 4 anos tocava um homem nu deitado no chão. 

E agora, mais um escândalo: A Comissão de Diversidade Sexual da 12ª Subseção da OAB-SP realizará no próximo sábado (07 de outubro de 2017) um evento que não tem nada a ver com advocacia, um papo sobre LGBTfobia infantil.

O evento contará com a participação da pedagoga Silvana Aparecida Nieto Lopez, do psicólogo Carlos Henrique da Costa Tucci e do defensor público Bruno Cesar da Silva. O evento será gratuito e haverá monitoria para crianças.

Veja o pensamento de pessoas que promovem esse tipo de evento:

Tatiana Lionço do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero: "as brincadeiras sexuais infantis também podem envolver os outros, meninos buscando conhecer os corpos de outros meninos e meninas e meninas buscando conhecer os próprios corpos e de outras meninas e meninos. Então quando meninos e meninas brincam, inclusive sexualmente em seus corpos com outros meninos e meninas eles não estão sendo gays ou lésbicas... que deixem as crianças brincarem em paz."

Alexandre Bortolini do Projeto Diversidade Sexual - UFRJ: "trabalhar gênero e sexualidade não tem idade mínima, a gente está falando de questões que tem a ver com todas as faixas etárias, no ensino fundamental (crianças de 6 anos) a gente pode trabalhar de diferentes maneiras."

Vídeo gravado em 2012

É óbvio que estão usando a causa homossexual para introduzir a pauta da pedofilia. Atenção, amigos gays, não caiam nessa! Não se deixem usar para difundir esse crime. Se afastem e denunciem essa gente.

Não se omita! Amanhã poderá ser tarde.