quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Desde quando um traficante representa os cristãos?



Está rolando nas redes sociais um vídeo no qual um traficante manda um pai de santo quebrar o centro espírita e tudo que há dentro dele.


O detalhe dessa história toda é que as pessoas estão chamando o marginal de "traficante evangélico." 

Não há nada mais contraditório que isso.

As vezes eu sinto que estou escrevendo o óbvio. Traficante evangélico? Ou a pessoa é traficante ou é evangélica.

Como cristã, preciso deixar claro que a atitude desse traficante não representa os cristãos verdadeiros. Quando vi o vídeo, meu coração se entristeceu grandemente. Nossa luta não é contra carne ou sangue. O evangelho não é isso. 

O fato de um traficante não aceitar um centro espírita na favela e agir dessa forma não o torna evangélico, não o torna cristão.

Isso é só um motivo para a esquerda maluca usar como gatilho para perseguir cristãos. 






Deixo abaixo as palavras de Fernando Fernandes:

"É um absurdo que:
1) Alguém minimamente sensato acredite q exista "traficante evangélico". Nada mais contrário ao evangelho!
2) Traficantes usem da violência para perseguir, humilhar e expulsar indivíduos de suas casas em razão da sua fé religiosa (ou qualquer que seja o motivo). Nosso poder público fluminense é omisso, corrupto e covarde. Mais do que nunca é urgente arrancar o RJ desses crápulas parasitas!
3) Que a Extrema-Esquerda use esses fatos como gatilho para perseguir evangélicos e esvaziar seus direitos. É criminoso tentar nos tornar cidadãos de segunda classe, seus nazistas!"

O que há de errado com o mundo? 

É traficante evangélico;
É gay homenageando ditador homofóbico;
É gente defendendo a pedofilia e zoofilia;
É mulher defendendo o Islã;
É a monogamia sendo considerada ultrapassada;

O certo se tornou errado, o errado se tornou certo;

Os valores se inverteram.