segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Autora feminista afirma que cavalheirismo é ruim para mulheres


"O cavalheirismo traz, de forma subliminar, a ideia de que a mulher é frágil e necessita do homem para protegê-la, até nas coisas mais simples como abrir uma porta ou puxar uma cadeira."

É assim que a autora Regina Navarro Lins, xodó da Globo e do programa Amor & Sexo classificou o cavalheirismo em seu artigo, como algo ruim para as mulheres. 

Sua ideia é provar que o homem ao puxar uma cadeira para a mulher sentar, abrir a porta do carro, estender a mão para ajudá-la a descer do ônibus, se oferecer para carregar o peso é prejudicial e reforça a ideia da mulher como um ser incompetente, limitado e inferior.

Nunca li tanta asneira num artigo só.

A palavra cavalheiro se refere a um homem que anda a cavalo. Porém, com a evolução da língua a palavra passou a se referir a um homem nobre, educado, gentil. E que tipo de mulher em sã consciência não quer um homem assim ao seu lado? Só as feministas desequilibradas mesmo.

O cavalheirismo nunca diminuiu a mulher, pelo contrário, ele demonstra cuidado e carinho. As mulheres gostam disso. Pelo menos as mulheres normais. 






Quando os seres humanos moravam em cavernas e dependiam da caça para sobreviver, os homens saiam em grupos para caçar e suas mulheres ficavam protegidas nas cavernas cuidando de seus bebês. Esse era o machismo da época, garantir que as mulheres e filhos estivessem protegidos. Isso é cavalheiro e gentil.

Quando surgiram as cidades e a civilização e os homens tinham que carregar pedra, arar a terra e defender os portões da cidade, as mulheres ficavam em casa fazendo artesanato, cuidando das crianças e cozinhando. Esse era o machismo da época. Isso é cavalheiro e gentil.

Quando os homens foram enviados para guerras em nome de um Imperador qualquer, as mulheres continuavam cozinhando e cuidando dos filhos. Esse era o machismo da época. Isso é cavalheiro e gentil.

Acontece que, em tempos de funk proibidão, grosserias e inversão de valores, o cavalheirismo também foi injustiçado. O valor da boa educação foi esquecido.

O único recado que posso deixar aqui para a Regina é: se você não gosta do cavalheirismo, não fale por todas as mulheres, fale por si.