Facebook

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Não deixe o celular roubar a sua vida



Oito horas da manhã o despertador do celular grita. A garota que nasceu no século errado pega seu aparelho, desliga o alarme, se levanta e começa seu dia. Enquanto toma seu café, checa suas mensagens e as responde, quando sai de casa, coloca o fone de ouvido e põe para tocar suas músicas. No caminho, o celular apita com um lembrete de que no dia seguinte ela tem um compromisso. 

É maravilhoso! 

Em um aparelho só ela tem um despertador, um calendário, uma agenda, um rádio, um correio e pode se comunicar com seus amigos de forma rápida e objetiva.

O final de semana chega e A garota que nasceu no século errado está com saudade de seus amigos. Ela manda uma mensagem no grupo do whatsapp e marca um encontro em qualquer lugar. O importante para ela, na verdade, é a companhia, é o estar junto.

- Galera, vamos marcar algo para hoje? Muito tempo que não nos vemos. Podem ir na minha casa. Saudades!

Mais tarde a galera animada chega na casa da garota que nasceu no século errado e uma de suas amigas imediatamente pergunta:

- Qual a senha do wifi?

 Eles conversam, falam sobre a vida, as novidades, riem, colocam música alta.


- Amiga, vamos dançar. Sai desse celular. - A garota que nasceu no século errado fala.
- Espera um pouco. O babado está forte aqui.

A garota que nasceu no século errado fala sobre o seu dia com seu namorado, o celular dele bipa, ele olha para o celular e começa a digitar:

- Fica comigo, amor. Sai desse celular – ela pede.
- Eu estou contigo. Só vou enviar essa mensagem aqui.

A garota que nasceu no século errado está num almoço de domingo com a família:

- A comida está uma delícia – ela elogia.
- han...?
-  A comida... larga esse celular.
- Deixa só eu terminar de ver esse vídeo.

A garota que nasceu no século errado já não é mais uma garota e está com seu filho:

- Filho, vai brincar na rua com seus amiguinhos. Sai desse celular.
- Mãe, você é muito chata.

E é assim que o mundo vê quem anseia por mais contato físico do que virtual: uma pessoa chata.
E o que fazer se A garota que nasceu no século errado veio ao mundo justamente no século da informação, das mensagens instantâneas e dos emoticons? Resta-lhe conviver com isso e aceitar que o contato olho no olho está acabando, que sentimentos são emoticons e emoções são status no Facebook.

Ela se sente como o Selvagem do livro Admirável Mundo Novo, simplesmente não consegue se adaptar a essa geração. Ela tem outros valores, outra maneira de conversar, outra maneira de interagir, outra maneira de se relacionar. 

A garota que nasceu no século errado não é mais uma garota, ela é uma mulher e a conclusão que ela conseguiu tirar disso tudo é essa: a internet aproximou quem está longe, mas afastou quem está perto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário