quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Maria do Rosário, que defende estupradores, processa Bolsonaro por apologia ao estupro

                                                             Veja o vídeo que gerou toda a polêmica. 


Maria do Rosário, que defende estupradores, processa Bolsonaro por apologia ao estupro. Ironia, não é?

Tudo começou num belo dia na câmara dos deputados.

Jair Bolsonaro, naquele dia, dava uma entrevista para a RedeTV! sobre a emenda 301 que trata justamente disso: a diminuição da maioridade penal.

O caso Champinha reacendeu no Brasil o debate sobre a idade adequada para se punir alguém por um crime.

Champinha sequestrou um casal de adolescente (Felipe Caffé – 19 anos e Liana Friedenbach – 16 anos), matou o rapaz com um tiro na nuca e depois de estuprar a menina durante 5 dias também a matou degolando-a com um facão cego.

A deputada Maria do Rosário (vulgo Maria do Presidiário), conhecida como defensora dos direitos da mulher e da luta feminista, conhecida também por denunciar Bolsonaro por apologia ao estupro, se lançou na luta em defesa do ESTUPRADOR por ele ser menor de idade.

- Ela não defendeu a família que sofria por ter perdido seus entes queridos de forma tão cruel;

- Não buscou justiça por uma menina ter sido torturada durante cinco dias sem cessar;

- Não se compadeceu por um menino tão jovem ter morrido por pura maldade de um demoniozinho.

Tudo que ela fez foi defender Champinha, o estuprador, alegando que esse elemento era vítima da sociedade.

Em contrapartida, Bolsonaro alegava que o caso Champinha era a confirmação de que devemos diminuir a idade penal do Brasil e que o estuprador, independente da idade, deveria pagar pelo o que fez.

Durante o debate, Maria do Rosario ficou toda histérica e nervosinha e vomitou ad hominem. Atacou o Bolsonaro de todas as formas, ele debochou da cara dela e ainda falou para o pessoal da impressa gravar as ofensas dela, e então, a deputada finalizou chamando-o de estuprador. O deputado respondeu calmamente: “jamais estupraria você porque você não merece”

Sim. Ela se sentiu ofendida com essa frase. 

Com a frase que as feministas estampam em seus corpos nos protestos pela rua a fora.




A maior ironia aqui, além de todas as já citadas, é que um dos projetos de lei do deputado é a castração química para estupradores.
A castração, como o nome mesmo diz, é química. Não ocorre a remoção dos testículos, o método consiste em bloquear a testosterona com uso de medicamentos hormonais, diminuindo drasticamente o desejo sexual e a ereção.

Mas o STJ entendeu que essa simples frase foi um ataque verbal à deputada e condenou o deputado a pagar 10 mil a ela.


Pelo visto, a justiça brasileira tem aversão ao real sentido da palavra justiça, já que o professor de filosofia Paulo Ghiraldelli afirmou abertamente sobre Raquel Sheherazade: “espero que ela seja estuprada” e eu não houve nenhum movimento ou revolta do STJ ou das feministas em relação a esse caso.



Agora veja como os Direitos Humanos trataram Champinha com todo o carinho do mundo.


Revoltante, não é?

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

A esquerda tem um poder especial: tudo que toca vira merda.




A esquerda tem um poder especial: tudo que toca vira merda. No Brasil, durante o regime militar, os militares se preocuparam apenas com a luta armada, ignoraram a luta intelectual e tiveram a ideia "genial" de entregar a cultura nas mãos da esquerda. Logo, mesmo durante o regime, tínhamos a mídia e todas as universidades formando toda a elite brasileira com um imaginário socialista.
                
Hoje, não importa onde você esteja, é natural encontrar pessoas que podem nem se interessar por política, que são muitas vezes contrárias a várias pautas da esquerda no campo moral e/ou econômico, mas que emite várias opiniões de cunho socialista. Toda nossa imaginação foi moldada para se adaptar às ideias da esquerda. 

Vivemos numa realidade muito parecida com a do livro Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley.

Nossa mente é preparada desde a infância para se dobrar ao sistema e, mesmo quando tentamos nos voltar contra essa realidade, só conseguimos nos expressar com aquilo que nos foi passado por nossa educação socialista. 

Quando sua linguagem de representação é restrita, é impossível se expressar de maneira concisa e íntegra.
                
Uma das experiências que tive com essa mentalidade esquerdista em nossa sociedade foi com um dos comentaristas do excelente canal Game FM no Youtube. Ao citar os Estados Unidos em um de seus podcast, o comentador disse que os EUA é um país sério e completou dizendo que, agora com o Trump, "um pouco menos sério".  Em outro vídeo, o mesmo comentador disse que não devíamos nos preocupar com o aquecimento global, pois o Trump disse que não existia. O que leva uma pessoa que tem como maior interesse jogos de vídeo game se achar capacitada para falar do governo do presidente americano e a discussão sobre o aquecimento global? 

Resposta óbvia: nossa mentalidade socialista. 

Nas escolas, qualquer moleque de 10 anos é incentivado a dar opiniões sobre tudo, mesmo que, por razões óbvias, ele não tenha capacidade para opinar sobre nenhum dos assuntos que seu professor tenha lhe incentivado a falar.

Logicamente esse problema vai se agravando com a idade, o aumento da ignorância e a perda de inteligência causados pelo sistema de ensino brasileiro vão deixando aquele adolescente mais seguro de si. O fato de seu grupo de amigos partilhar das mesmas opiniões o deixa ainda mais seguro, o professor, sabendo ou não, usa de um artifício muito inteligente: diz que ao contestar as crenças dos pais ou dos mais velhos, o jovem está sendo crítico, o que deixa o moleque todo cheio de si. O problema é que o professor não lembra que se o aluno quiser ser crítico de verdade deve contestar ele próprio e é necessário, antes de formar suas opiniões sobre algo, se esforçar, estudar nas mais variadas fontes, ler todos os autores importantes daquele assunto para depois meditar sobre o que foi lido e, só então, chegar a uma conclusão. 

Na maioria das vezes, o próprio professor nunca fez isso. Logo, não exigirá isso do aluno. Seu único objetivo ali, sabendo ou não, é formar um militante do PSOL.

Voltemos ao comentador do Game FM, duvido que ele seja um militante de partidos de extrema esquerda, mas, sem saber, ele tem as mesmas opiniões que qualquer marmanjo militante do PSOL tem. Isso nos mostra que antes de nos preocuparmos com o messias que irá ganhar as eleições em 2018, temos que cuidar de nossa cultura. 

As eleições do próximo ano são muito importantes, mas são o passo inicial numa jornada que só se inicia. Não podemos achar que um presidente mudará a história de nosso país enquanto nossas crianças e adolescentes são doutrinados durante todo o tempo que ficam dentro das escolas.


Autor: Jônatas Castilho

sábado, 5 de agosto de 2017

Rio de Janeiro comemora a ocupação das Forças Armadas nas ruas


A mídia tenta de qualquer forma descreditar o trabalho das Forças Armadas. Se você pesquisar no google "exército na rua", aparecerão reportagens afirmando que o povo não gostou das forças armadas nas ruas do Rio de Janeiro.



Justificativas fantasiosas da mídia:

1- Não resolve o problema da violência, 
2- As forças armadas na rua só aumenta a violência, 
3- O governo nos tirou o direito de ir e vir. 

A 3 é a melhor. "Direito de ir e vir".

Desde quando temos o direito de ir e vir? 

Vivemos com muros de 3 metros de altura, câmeras de segurança e carros blindados. 
Na Central do Brasil, temos que esconder o celular, tirar os fones, tirar o cordão, tomar cuidado se sentar na janela do ônibus. 

Que liberdade é essa pregada pela mídia que as Forças Armadas tiraram de nós?

Liberdade que se vê por detrás de grades de segurança?

Somos prisioneiros do medo e reféns da impunidade há anos.

A única liberdade vista daqui é a liberdade para roubar, matar, traficar e corromper. 

Liberdade para ladrões: do crime organizado da favela ao crime organizado de Brasília.

Enquanto os jornalistas afirmam com fervor que o povo está insatisfeito, os motoristas, por exemplo, aplaudem a iniciativa e comemora. Um das pessoas que foi abordada no trânsito afirmou: "Melhor coisa que fizeram. Nós amamos os militares nas ruas. Estamos nos sentindo mais seguros, porque estamos vivendo em tempos de guerra."

(Não se preocupe! Ao clicar no vídeo, você não será direcionado para outra página)














Agradecemos ao glorioso Exército Brasileiro por sua dedicação à população do Rio de Janeiro.













sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Feminismo e o ódio ao homem: frases assustadoras de autoras feministas



Quando eu era adolescente, resolvi que seria feminista. Isso porque tive uma decepção amorosa e decidi que todos os homens eram safados e iguais. Mas como sempre gostei de ler, resolvi pegar o livro de uma feminista chamada Regina Navarro Lins para conhecer mais sobre o movimento. O livro, em sua parte histórica, é bem interessante, mas no final de cada capítulo há links da autora com suas opiniões que só posso definir como assustadoras.




Depois de ler esse livro, desisti de ser feminista, já que tudo nele ia contra meus valores. Tudo que consegui ver foi ódio ao homem, ódio ao o que é viril, ao masculino. E com o passar do tempo, concluí que 90% dessas meninas/mulheres que se intitulam feministas, nunca leram autoras de seu próprio movimento. 

São claramente idiotas úteis.

Mas para não ficar apenas em minhas palavras, resolvi reunir aqui frases de algumas líderes desse movimento "do amor".

Veja!

(Não se preocupe! Ao clicar no vídeo, você não será direcionado para outra página)


















segunda-feira, 31 de julho de 2017

Por que o feminismo atrapalhou a vida das mulheres



Oito horas da manhã de uma segunda-feira. 

Eu acordo, tomo café, minha cunhada leva seu filho para a creche e nos dirigimos para a academia. Quando voltamos, meu namorado está no quintal. Eu o olho de cima a baixo, ele e o pedreiro estão sujos de cimento da cabeça aos pés. A casa estava precisando de obra e os homens resolveram fazer o serviço. Enquanto isso, minha cunhada foi buscar seu filho na creche e eu fui para a cozinha fazer comida. Quando tudo ficou pronto, coloquei minha comida no prato, a do meu namorado e a do pedreiro. 

Sim, eu coloquei a comida do meu namorado no prato. E não vejo opressão alguma em agradar quem está ao nosso lado. 




Quando todos comeram, os homens voltaram para a obra, eu peguei meu sobrinho no colo e fiquei brincando com ele enquanto sua mãe tomava banho.

Os homens estavam carregando nas costas sacos de cimento de 50 kg para lá e para cá.

As mulheres estavam cuidando do bebê, fazendo comida e tomando banho.

É um dia normal.




Sim, é um dia normal na cabeça de pessoas normais.

Porém, na cabeça de uma feminista acontece o seguinte:

1 - Eu sou uma pobre oprimida, pois levantei cedo e fui malhar para ficar com o corpo de acordo com o padrão de beleza imposto pela sociedade;

2 - Cheguei em casa e ainda tive que fazer comida: mais uma opressão;

3 – Minha cunhada, que teve que levar e buscar seu bebê na creche, está na pior das prisões que existe: a maternidade.

4 – Coloquei comida no prato do meu namorado. Pasmem! Como consigo ser submissa a esse ponto? Eu deveria gritar que ele é um estuprador em potencial, deixar meus cabelos da perna e do sovaco crescerem e dizer que sou empoderada.

5 -  E, por fim, ainda tive que brincar com uma criança.

Pois bem, o que acontece é: a teoria do feminismo (do comunismo também) é linda, mas a prática passa bem longe disso.

Pense nessa situação: a aula do meu curso acabou, um colega de turma abriu a porta para uma colega feminista e eu passarmos.

Na minha cabeça, eu pensei: “ah, que fofo! Ele foi gentil.”

Na cabeça da feminista ela pensou e depois falou bem claro para mim: “não sei por que esse macho abriu a porta para a gente. Eu tenho braço, posso abrir uma porta.”

Ou seja, um simples ato de gentileza no Incrível Mundo do Mimimi é considerado machismo.

Em contrapartida, houve um dia em que eu estava no ponto de ônibus com minha mãe, o ônibus parou à nossa frente, um homem nos empurrou grosseiramente para entrar na nossa frente.

Que homem ridículo – pensei.

Mas instantaneamente me lembrei da situação do meu colega de sala que abriu a porta e conclui (algo obvio): existe homens ridículos e insuportáveis, assim como existe mulheres ridículas e insuportáveis.

O sexo não define se a pessoa é boa ou ruim.

Mas o que, de fato, as mulheres ganharam com o feminismo? 

Nada. 

As mulheres ganharam o direito de trabalhar? Na verdade, elas perderam o direito de NÃO trabalhar. Antigamente, quando uma mulher se casava, ela tinha todo o direito de ficar em casa e o marido tinha a obrigação de sustentá-la. E isso foi perdido para sempre. 

Isso não quer dizer que sou contra as opções. Se a mulher quer trabalhar, ela tem todo o direito, mas se ela quiser ser dona de casa, qual é o problema?

Desde a idade da pedra o homem fazia três coisas: trabalhava, cultivava e protegia. Através de toda a História eles foram julgados pelo seu trabalho duro e pela proteção que davam às suas mulheres e filhos. As mulheres viam seus homens como conquistadores, provedores, heróis, mas em um momento da História isso mudou. As mulheres viraram suas próprias heroínas. Talvez tenha sido porque os homens esqueceram como era ser um herói ou talvez porque elas não queriam mais ser protegidas, ou os dois. Seja qual for o motivo, o mundo tirou do homem as razões para ser um homem. Elas disseram que ele não era mais importante. E quando isso aconteceu o mundo virou de cabeça para baixo.





Para ser justa, o feminismo que estou criticando nesse artigo é o atual. Esse feminismo doentio pregado nas universidades e na mídia. A primeira onda do feminismo, la da década de 60, reivindicava pautas que toda a sociedade aceitava: o direito de votar, o mesmo salário dos homens, acesso à educação e direitos civis iguais. Se o movimento parasse por aí, é claro que eu concordaria. O  problema foi o processo de emburrecimento que aconteceu ao longo dos anos que deixou as feministas iguais zumbis.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Resenhando: Livro Matéria Escura - Blake Crouch


TÍTULO: Matéria Escura
AUTOR: Blake Crouch
EDITORA: Intrínseca


Certa vez, escutei a seguinte frase no filme Cartas para Julieta: "E" e "Se" são duas palavras simples e inofensivas como qualquer palavra. Mas quando juntas "e se..." podem causar estragos inimagináveis.

Essas palavras definem bem Jason. Ele é  um físico nuclear jovem, com toda a vida pela frente, tem uma carreira promissora, uma namorada linda, artista e... grávida! A gravidez não planejada faz com que seus planos mudem, mas apesar das dificuldades, ele promete ficar com Amanda.

Anos se passam, seu filho já é um adolescente, Jason se tornou professor de uma universidade e Amanda trabalha numa galeria.

Apesar de sua vida não ter ficado como planejado, Jason ama sua esposa e filho. Acontece que, como toda pessoa normal, ele (e ela também) se pergunta: "e se..."

E se Amanda não tivesse engravidado?
E se não nos casássemos?
E se ela simplesmente interrompesse a gestação?
E se eu insistisse na minha pesquisa?

Independente desses questionamentos, Jason é um homem feliz. Porém, bastou uma só noite para tudo mudar...

Numa noite fria, enquanto Jason volta de uma comemoração do prêmio científico de um colega de faculdade, um homem o sequestra. Assustadoramente, o sequestrador sabe tudo sobre ele: sua senha de celular, seu endereço, nome de sua esposa, filho, seus costumes...

O sequestrador injeta algo em seu pescoço e o joga numa caixa misteriosa.

"Você é feliz com a vida que tem?"

Essas são as últimas palavras que Jason escuta antes de acordar desnorteado numa sala que ele nunca vira antes.

Ele é saudado por um homem completamente estranho para ele: "Bem vindo de volta, meu amigo."

É outro mundo, uma fenda no multiverso. Lá ele é um físico renomado. Sua esposa não é sua esposa. Seu filho nunca nasceu.

Será que isso tudo é um sonho?

E não será a última vez que ele entrará num mundo completamente desconhecido, com uma vida desconhecida.

O que era aquela caixa?
Quem era aquele homem que tanto o conhecia?
O que ele injetou em Jason?
Onde está Amanda nesse mundo? Nesses mundos?
Que tipo de vida Jason vai escolher para viver?

Leia o livro e viaje nessa aventura com Jason Dessen.


OPINIÃO:

FANTÁSTICO! Fazia tempo que eu não lia um livro que me envolvesse tanto quanto Matéria Escura. É o tipo de leitura que te faz querer ler no ônibus, no intervalo do almoço do trabalho, antes de dormir, depois de acordar...

A escrita é muito fácil e envolvente, além de ter suspense em cada capítulo.

Esse livro merece 5 estrelas.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Veja qual seria o preço dos produtos sem imposto



Como o nome mesmo diz, o Imposto é algo imposto a todos nós. Não temos para onde fugir. Independente de para onde formos, o que comprarmos, ele sempre estará lá. 

Você sabia que a cada R$ 10 pagos em uma cachaça, casaco de pele, vodca ou cigarroR$ 8 são apenas impostos?

lógica do governo é a seguinte: 

1 - A população paga imposto; 

2- O governo devolve o dinheiro à população com serviços como educação, saúde e segurança. 

Na minha opinião, seria melhor o governo deixar o MEU dinheiro na minha mão e eu escolho a melhor instituição de educação, saúde e segurança para mim... Mas isso é assunto para outro artigo.

Veja abaixo o valor dos produtos sem imposto:

Que tal comprar um celular novo?

Samsung S8 COM imposto: 3.519,12 

Samsung S8 SEM imposto: 2.111,47 

Diferença de 1.407,65 (40% de imposto) 

1.407,65 vai direto para o bolso do governo para, TEORICAMENTE, ele devolver a você em educação, saúde e segurança.

Vamos jogar um vídeo game?



PS4 COM imposto: 1.580,90

PS4 SEM imposto: 395,20 (ui!)

Diferença de 1185,70 (75% de imposto)

Assustador, não é? Você paga um vídeo game para você e TRÊS para o governo. O que acha?


E aquele lanche da tarde?





Nescau COM imposto: 7,25 

Nescau SEM imposto: 4,50 

Diferença de 2,75 (38% de imposto).



Quer mesmo tomar uma cachaça depois dessa? 





Cachaça COM imposto: 107,90

Cachaça SEM imposto: 19,60

Diferença de 88,34 (81,85 de imposto). O governo agradece!


E as pedaladas?

Bicicleta COM imposto: 519,90

Bicicleta SEM imposto: 280,75

Diferença de 239,15 (46% de imposto).


Quer ir à praia pegar um bronze?



Bronzeador COM imposto: 25,12

Bronzeador SEM imposto: 12,81


Diferença de: 12,30 (49% de imposto).



É melhor apagar a luz:




Se a sua conta viesse, por exemplo: 200,00


SEM IMPOSTO seria: 104,00


Diferença de 90,00 (48% de imposto).



Que tal trocar de carro?




COM imposto: 83.720,00


SEM imposto: 49.394,80


Diferença de: 34.325,20  (41% de imposto).


E aí? O governo está devolvendo o dinheiro a você da melhor maneira possível? Ou imposto é simplesmente um roubo e o governo é uma quadrilha?



Fonte: veja o quanto você paga de imposto

Bem-vindo ao Impostômetro