sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Por favor, continuem falando mal de Jair Bolsonaro


O autor libanês americano Nassim Nicholas Taleb escreveu um livro chamado Antifrágil, no qual ele explica sobre coisas e pessoas que se beneficiam com o caos. Jair Messias Bolsonaro é um perfeito exemplo de antifrágil: quanto mais batem, mais se fortalece. É como a Hidra de Lerna da mitologia grega: a serpente que tinha três cabeças e quando uma delas era cortada, nascia duas em seu lugar.

                                                             

Pessoas anti-frágeis se fortalecem ao serem criticadas, ao receberem socos, pancadas e críticas. A mídia brasileira não está acostumada com esse efeito. Ela está habituada a formar opiniões, a destruir reputações e criar heróis. Foi isso que ela fez com Lula tornando-o "pai dos pobres", foi o que ela fez com Enéas tornando-o "maluco".

Agora, as revistas, rádios e canais de televisão têm gastado todo o seu tempo e esforço para criticar e acabar com a reputação de Bolsonaro. 

A revista Veja colocou em uma de suas capas a foto de Jair com o título "A Ameaça Bolsonaro." 


Infelizmente, para Veja e seus jornalistas, tudo o que conseguiram foi uma resposta bem dada de Bolsonaro desmentindo toda sua reportagem. E, claro, com sua foto estampada numa revista de grande circulação, como um bom antifrágil, Bolsonaro conseguiu novos seguidores.

A revista Isto É também resolveu fazer "propaganda" do chamado Mito e o colocou na capa com o título "Perigo! Ele pode ser presidente."


Infelizmente, para a revista e seus jornalistas, tudo o que conseguiram foi motivar pessoas a usarem filtro no Facebook zombando de sua revista com a legenda "Perigo! Eleitor de Bolsonaro."

A Folha de São Paulo fez uma reportagem com o nome "Na política, Bolsonaro multiplica o patrimônio" e cita uma suposta mansão que ele teria em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. Veja aqui a resposta de Bolsonaro.

Essa é a "mansão"

E, com isso, Bolsonaro conseguiu mais seguidores.

A jornalista Sheherazade também não quis ficar para trás e resolveu atacar Bolsonaro em suas redes sociais. Tudo o que conseguiu foi perder quase 40 mil seguidores. Curiosamente, no mesmo período, a página oficial de Bolsonaro ganhou quase 50 mil seguidores.





A questão é simples: a mídia brasileira perdeu tanta credibilidade nos últimos anos que se ela falasse bem dele e o elogiasse muitas pessoas repensariam seu voto, mas enquanto estão falando mal e o atacando, os cidadãos sabem que seu voto está correto.

Então, tudo o que posso pedir é: por favor, continuem falando mal de Bolsonaro. Obrigado!